Metodologia RIPSA

    • Concepção e Estruturação

      A iniciativa Ripsa

      Em 1996, o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) acordaram em cooperar tecnicamente na área de informação em saúde, para atender dois objetivos convergentes: 1) potencializar a utilização das bases de informação disponíveis para apoiar a construção do Sistema Único de Saúde; e 2) contribuir para a sistematização de dados e informações produzidos pelos países da Região das Américas, a partir da Iniciativa Regional de Dados Básicos em Saúde.

      A estratégia de cooperação centrou-se na criação da Rede Interagencial de Informações para a Saúde (Ripsa), que viabiliza parcerias entre entidades representativas dos segmentos técnicos e científicos nacionais envolvidos na produção, análise e disseminação de dados, objetivando sistematizar informações úteis ao conhecimento e à compreensão da realidade sanitária brasileira e de suas tendências.

      Formalizada por Portaria Ministerial e Termo de Cooperação com a Opas/OMS, a Ripsa promove a organização e a manutenção de uma base de indicadores relativos ao estado de saúde da população e aos aspectos sociais, econômicos e organizacionais que influenciam e determinam a situação de saúde. Os produtos da Rede resultam de um processo de construção coletiva, no qual as instituições parceiras contribuem com a própria expertise, por meio de seus profissionais e bases técnico-científicas.

      Compõem a Ripsa cerca de 30 entidades representativas dos segmentos técnicos e científicos nacionais envolvidos na produção e análise de dados (produtores de informações estrito senso, gestores do sistema de saúde e unidades de ciência e tecnologia), que se associaram para aperfeiçoar informações de interesse comum.

      O processo de trabalho conjunto se realiza por intermédio de mecanismos e instrumentos operacionais de gestão previstos nos instrumentos legais de criação Ripsa. Duas delas são responsáveis pela condução das ações:

      • Oficina de Trabalho Interagencial (OTI).

      Fórum colegiado incumbido do planejamento participativo e da condução técnica do processo, coordenado pelo Ministério da Saúde e integrado por representantes das instituições que compõem a Rede.

      • Secretaria Técnica.

      Equipe designada pelo Secretário Executivo do Ministério da Saúde para promover medidas que viabilizem as recomendações da OTI, expressas em plano anual de trabalho.

      Duas outras instâncias têm atribuições técnicas específicas na Rede:

      • Comitês de Gestão de Indicadores (CGI)

      Têm a função de revisar periodicamente os subconjuntos indicadores demográficos, socioeconômicos, de mortalidade, de morbidade e fatores de risco, de recursos e de cobertura. Cada CGI é coordenado pela instituição melhor identificada com a temática específica e constituído de representantes técnicos das fontes produtoras de dados e informações.

      • Comitês Temáticos Interdisciplinares (CTI)

      Constituídos temporariamente, por proposição da OTI, para aprofundar a análise de questões metodológicas e operacionais relacionadas aos produtos da Rede. Sua composição depende do tema tratado, podendo incluir representantes institucionais e especialistas.

      A Ripsa conta com instrumentos operacionais desenvolvidos para apoiar o processo de trabalho conjunto, a consecução e a documentação dos produtos, o acesso aos usuários e a cooperação técnica. Destacam-se os seguintes:

      • Matriz de Indicadores

      Organiza o conjunto de indicadores e define as suas características essenciais. Esse instrumento constitui a base comum de trabalho das instituições integradas na Rede, nele se expressando a contribuição específica de cada instituição representada. Pressupõe revisão periódica e aperfeiçoamento continuado, mediante esforços institucionalmente articulados.

      • Planejamento Operacional de Produtos (POP)

      Estabelece a programação anual de produtos, atividades e tarefas da Rede, com as correspondentes responsabilidades institucionais pelo seu desenvolvimento.

      • Base comum de dados e indicadores

      Sediada no Departamento de Informática do SUS (Datasus), órgão incumbido de sistematizar, consolidar e veicular a informação produzida coletivamente na Rede, mediante a transferência eletrônica de dados. O caráter oficial dessa base assegura a sua legitimidade perante as instituições produtoras.

      • Biblioteca Virtual de Saúde (BVS-Ripsa)

      Sediada na Bireme, promove acesso on-line, universal e eqüitativo a informações relevantes para a tomada de decisões em saúde. Disponibiliza conteúdos específicos sobre os produtos e processos interinstitucionais de trabalho, propiciando a interação da Ripsa com experiências similares de âmbito nacional e internacional.

      [ ← Show Excerpt ]
    • Desenvolvimento

      Produtos e desenvolvimento da Ripsa

      O primeiro produto finalístico da Ripsa é a publicação regular de Indicadores e Dados Básicos (IDB), que sistematiza informações essenciais para compreensão geral da situação de saúde e acompanhamento de suas tendências. Nos seus primeiros anos de atuação, a Rede dedicou-se ao processo de construção coletiva do IDB e a aperfeiçoar progressivamente esse produto, assegurando a sua disponibilidade regular.

      Diversos CTI têm apoiado a construção do IDB, em temas como: padronização de atributos comuns dos sistemas de informação; mortalidade infantil, perinatal e materna; capacitação do profissional de informações; análise de dados espaciais em saúde; sala de situação de saúde; saúde, seguridade social e trabalho; alimentação e nutrição; saúde do idoso; monitoramento do plano nacional de saúde; acidentes e violência; informação de base populacional; saúde sexual e reprodutiva; informes de situação e tendências; e iniciativa Ripsa em âmbito estadual.

      Depois de superar dificuldades iniciais para legitimar e consolidar o modelo de cooperação técnica interinstitucional, a coordenação da Ripsa passou a contar com maior participação e suporte do Ministério da Saúde[1],[2], podendo dedicar maior atenção ao segundo produto substantivo da Ripsa: a elaboração de Informes de Situação e Tendências (IST). Também deu início a um processo de aplicação da metodologia Ripsa em âmbito estadual, que visa promover a qualidade e o uso da informação nos sistemas locais de saúde. Desenvolve-se ainda o Portal da Ripsa na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS-Ripsa), que amplia o acesso a produtos e metodologias de trabalho da Rede, propicia vínculo com as bases de informação científico-técnica, e favorece a cooperação internacional (http://www.ripsa.org.br).


      [1] Ministério da Saúde. Portaria Nº 495 GM de 10.03.2006, publicada no DOU de 13.03.2006.

      [2] Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Quinto Termo de Ajuste ao Termo de Cooperação nº 14 firmado em 12.06.2006, que adiciona recursos para desenvolvimento da Ripsa até 2010.

      [ ← Show Excerpt ]
    • Cooperação Internacional

      A trajetória da Ripsa vem sendo construída no sentido de criar e manter condições para o aperfeiçoamento da capacidade pública de formulação, gestão e avaliação de políticas e ações dirigidas à melhoria da qualidade de vida e saúde da população.

      Neste contexto, o projeto ‘Ripsa - Cooperação Internacional’ tem como objetivo valer-se da experiência dessa rede para divulgar no cenário internacional os êxitos, obstáculos, estratégias e metodologias utilizadas pela Ripsa nos seus 12 anos de funcionamento.

      Acredita-se que outros países possam se beneficiar da experiência e dos produtos desenvolvidos pela Ripsa e que também possa ser estimulada a troca de experiênicas de sistematização de informações semelhantes e de relevância para a saúde global.
      O projeto é coordenado pela Opas Brasil, por intermédio da Unidade Técnica de Informação e Gestão do Conhecimento, em parceria com o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnólogica em Saúde - ICICT/ Fiocruz.

      Produtos esperados:  

      • Estruturação e execução da BVS Ripsa nos idiomas português, espanhol e inglês, a ser utilizada como fonte de divulgação dos produtos e metodologias de trabalho e como meio de comunicação virtual entre países.
      • Produção de vídeo, folder e livros para divulgação da experiência Ripsa nos idiomas português, espanhol e inglês.
      • Atendimento às demandas de cooperação técnica inter-países, a exemplo da experiência piloto com as autoridades sanitárias do Paraguai.
      [ ← Show Excerpt ]